domingo, 24 de julho de 2011

Aparício e o Precipício


 

Suspenso no precipício

Gritava o Zé Aparício:

Ó meu Deus, vem-me salvar!

Prometo não mais pecar

Se tu me salvares desta

Vou ser pessoa honesta

Prometo não intrujar

Todos os dias rezar

Ir à missa e comungar!


Passou ali um amigo

Que logo o salvou do perigo

O Aparício se ergueu

E graças a Deus rendeu


Mas passada a aflição

Desenha-se situação

De pagar o que a Deus deve

E logo se esqueceu

Daquilo que prometeu

Só pensou muito ao de leve:

“Deus me há-de perdoar…”


Aparício, Aparício…

Vale bem o sacrifício

De cumprires o que prometes

Vê lá se tal artifício

Não é maior precipício

Em que agora tu te metes…



Julho de 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário