domingo, 22 de setembro de 2013

Redenção





Depois de errar no escuro
De dormir em solo duro
À beira do cataclismo
Encontrei o Espiritismo

Era uma noite fria
Como a dor que eu trazia
Entrei no centro em braços
Encontrei calor e abraços

Dizem que arrastava o andar
Era o peso do penar
Pensava: “Que azar o meu”
Hoje sei que o “azar” fui eu

Por semear alguns ventos
Colhi uns tantos tormentos
Bendito o Consolador
Que apagou tanta dor

Desde então não passa um dia
Em que não sinta a alegria
Da doce libertação
O que sinto? Gratidão!

23.9.2013 ENLSB

Sem comentários:

Enviar um comentário