segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A Flor Silvestre


Disse a flor exótica à flor silvestre:
Que pouca sorte tiveste
Eu airosa, em exposição
E tu, esquecida, aí no chão

Respondeu alegremente a flor silvestre:
Sou feliz no solo agreste
Provo sol, chuva e geada
Admiro em vez de ser admirada

Não é de lamentar o ser-se pequenino
Não é acaso ou capricho do destino
Quem estagia na via da simplicidade
É feliz por gozar de mais liberdade

Crespo

Setembro 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário